quarta-feira, 19 de junho de 2013

Incentivo à leitura & ao esporte


Essas são as ações que já realizamos na Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa inspirados pelos grandes eventos esportivos que serão realizados no Brasil, a Copa do Mundo 2014 e as Olimpíadas 2016. Pensando em crianças das áreas rurais de todo o Brasil que vão acompanhar os eventos esportivos apenas pela televisão (as que tiverem uma), nós fizemos ações inspirados nesses eventos, para aproximar as crianças de práticas esportivas e exercícios físicos. Para que elas pudessem conhecer não só o futebol, mas também o vôlei, o basquete, o ping pong, o judô, a natação, a ginástica olímpica e tantos outros, que são distantes da realidade delas. Usamos materiais esportivos doados por colaboradores da Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa e livros e gibis que falavam de esportes.

Nas escolas rurais de Morretes não existe professores nem aulas de educação física, nem atividades esportivas, ou qualquer tipo de incentivo e investimento financeiro para a formação de atletas. Essa é a realidade inúmeras escolas nas área rurais do Brasil. Inspirados pela Copa do Mundo 2014 e pelas Olimpíadas 2016 fizemos essas ações voluntárias, com a ajuda do Edemilson Pereira e das professoras Rosiele Comunello, Rosângela Comunello e Sirlei Apolinário, sempre valorizando a busca pelo conhecimento, incentivando a leitura e a prática do esportes (inclusive o futebol) com livros e gibis que falam de esportes. Crianças leitoras, futebol e demais esportes combinam muito bem.

O investimento no esporte, na atividade esportiva, na formação de atletas, na contratação de professores de educação física, na formação de atletas nas categorias de base, não é a mesma coisa que o investimento na Copa da Fifa e nos investimentos em obras públicas para um evento particular. Temos que diferenciar o que é um investimento válido na prática de esportes e desenvolvimento de atletas, além do incentivo à prática esportiva para crianças em escolas, da gastança em estádios monumentais que serão abandonados após a Copa.

Um é tão importante quanto o outro. A educação deve ser priorizada em relação às obras públicas para a Copa do Mundo. Esporte e educação devem caminhar juntos pois são complementares. 

Conheça as atividades que realizamos com as crianças das escolas rurais de Morretes que uniram incentivo à leitura, futebol e demais esportes:

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Um blog para bibliotecas do Brasil

Essa é a nossa história contada na matéria de Luiz Henrique Gurgel do site Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro.

Tudo começou com uma biblioteca comunitária numa área rural do Paraná, carente de projetos de incentivo à leitura. A iniciativa cresceu em parceria com professoras de escolas rurais da região e hoje, por meio de um blog, o grupo forma uma rede que troca experiências com projetos de todo o país.
Dona Josefa e Edemilson Pereira, donos do Sítio Vanessa e leitores

“Oh! Bendito o que semeia/ Livros... livros à mão cheia.../ E manda o povo pensar! /O livro caindo n'alma /É germe — que faz a palma, /É chuva — que faz o mar”. Os famosos versos de Castro Alves (do livro Espumas Flutuantes, de 1870) bem que poderiam servir de legenda para uma dupla de estudantes universitários de Curitiba (PR). É que desde 2011, por meio de um blog – o Bibliotecas do Brasil –, eles divulgam, incentivam e trocam experiências sobre a criação de bibliotecas comunitárias e projetos de incentivo à leitura por todo o país.


Os voluntários Daniele Carneiro e Juliano Rocha entraram para o mundo das bibliotecas livres comunitárias quase sem querer. Um amigo pediu ajuda ao casal para montar uma biblioteca numa pequena comunidade rural, sem acesso a livros ou a projetos de leitura, na Serra do Mar paranaense, próxima à cidade de Morretes. Assim nasceu, na Estrada do Anhaia, a Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa que funciona na sala de estar da casa dos proprietários. Para propagar a experiência, os fundadores também criaram um blog que conta a história do projeto e fala das atividades realizadas por lá.

“Fizemos arrecadação de livros através do Facebook/Twitter junto aos amigos, familiares e ex-professores. Por meio de doações conseguimos montar um acervo com mais de mil livros e fizemos vários eventos paras as crianças da Estrada do Anhaia, onde fica a biblioteca. Ela é livre, não precisa de cadastro, carteirinha, apresentação de documentos, é só pegar um livro emprestado e levar”, conta Daniele.

Juliano Rocha, Daniele Carneiro e Edemilson Pereira, idealizadores da Biblioteca Comunitária Sítio Vanessa

Região carente de espaços culturais, a biblioteca do sítio se transformou num pequeno centro cultural, pois além de emprestar livros, passou a organizar encontros com autores, passeios, atividades de educação ambiental e oficinas do livro, atraindo moradores e estudantes das escolas da região. Segundo Daniele, a parceria com escolas e professores foi fundamental: “Esses eventos não seriam possíveis se não tivéssemos o apoio das professoras das escolas rurais da Estrada do Anhaia”, afirmou.

Crianças das escolas rurais de Anhaia e Rodeio, dois bairros da Estrada do Anhaia, região rural de Morretes na Serra do Mar do Paraná


De um blog local para um blog nacional

O blog Biblioteca Comunitária do Sítio Vanessa virou o principal canal de divulgação do projeto e outras bibliotecas comunitárias ou grupos com iniciativas parecidas em várias partes do país começaram a se comunicar com Daniele, Juliano e o grupo do Sítio Vanessa. Daí foi um passo para criar um novo blog, mais abrangente: “Com essa troca de ideias constante, decidimos criar o blog Bibliotecas do Brasil para colocar no mapa iniciativas de incentivo à leitura e bibliotecas comunitárias que nos procuravam”, explica a estudante.


Virou fonte de referência para esse tipo de projeto, possibilitando contatos, intercâmbios e tornando conhecidas várias iniciativas voltadas ao incentivo à leitura. O blog traz dicas e fala de experiências que podem facilitar a vida de quem pretende criar bibliotecas comunitárias e despertar o interesse pela leitura em locais sem bibliotecas e que sofram com a falta de programas de incentivo.

A experiência com esse primeiro blog serviu de incentivo para novas ações dos próprios blogueiros, Daniele e Juliano. “A partir do momento que começamos a publicar textos, começamos a montar também pequenas bibliotecas livres em lugares que frequentamos, ou que conhecemos, como por exemplo, um café, um restaurante”. Até uma loja de equipamentos para escaladas e acampamentos reservou espaço para os livros. Os clientes podem escolher e levar livros para suas viagens e aventuras (clique aqui e conheça a loja).

Em abril, o blog deu início ao seu primeiro concurso cultural: “Fotografe sua biblioteca”. A ideia é “conhecer a cara das bibliotecas brasileiras”. Basta tirar uma foto da fachada de qualquer biblioteca da cidade em que o participante more. As melhores serão publicadas no blog. E a foto mais bonita ganha o livro As 100 melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal, da Ediouro. O concurso termina no dia 22 de junho.

Como militantes da causa, a dupla que semeia livros e bibliotecas explica todas essas ações: “Queremos fazer uma difusão do pensamento e do conhecimento de que qualquer pessoa e comunidade podem começar suas próprias bibliotecas do zero, sem nenhuma ajuda oficial, se assim desejarem”

Castro Alves assinaria embaixo.