segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Como montar uma biblioteca livre-comunitária

Para quem tem vontade de começar uma biblioteca livre ou comunitária e está procurando dicas, indico o link abaixo do site "Livros e Afins".




Como criar uma biblioteca comunitária em 1 passo simples

Ressalto as seguintes ideias sugeridas: "uns 40 livros que você considera bons, livros que você ama, não pelo objeto que eles são, mas pelo conteúdo que eles carregam, não como mero recepiente, mas como transportadores de prazer, conhecimento e diversão".
Nós começamos a Biblioteca do Sítio Vanessa com 30 livros da nossa própria estante. Isso significa que eram livros que já havíamos lido, livros queridos, livros que consideramos importantes até hoje, e principalmente livros que gostaríamos que outras pessoas também tivessem a oportunidade de ler.

O lugar também é importante: "Você deve oferecer a possibilidade de uma biblioteca aos donos do lugar. Há uma grande possibilidade de eles aceitarem".
A ideia de montarmos uma biblioteca no Sítio Vanessa foi muito bem aceita desde o início. É a oportunidade inédita de levar livros aos moradores da Estrada do Anhaia em Morretes, localidade rural que até então não tinha uma biblioteca nos arredores. Sem contar o espetáculo de paisagens que a Estrada do Anhaia oferece, lugar perfeito para a existência de uma biblioteca. As inúmeras crianças alunas das escolas rurais que ficaram encantadas com os livros infantis que levamos para lá, e a experiência de unir a biblioteca com uma aula de educação ambiental só serviu para alicerçar a biblioteca. Os moradores deram à ela "a cara" que ela tem hoje, de cortesia, de visitação entre amigos, vizinhos, parentes, visitantes de fora, de aconchego, de família, sem complicações, do livro ali ao alcance das mãos, pertinho da cozinha, de um gole de café com leite, um suquinho, uma janela para a Serra do Mar, uma delícia.

Também é importante estabelecer um sistema de como a biblioteca irá funcionar. "Um sistema: quanto mais simples melhor. O objetivo não é manter os livros na biblioteca, mas fazê-los circular".
O sistema escolhido por nós é o de biblioteca livre e isso significa que as pessoas se comprometem a devolver o livro após a leitura, ou a repassá-los a familiares, amigos e colegas, movimentando assim o ciclo de leituras. Sem nenhuma obrigação com carteirinhas, apresentação de documentos, ou taxas simbólicas. E tem funcionado bem. Os livros são carimbados (veja nesse post o carimbo) com uma pequena explicação de como funciona o empréstimo.
No início da Biblioteca do Sítio, deixei um caderno de visitas, para os leitores anotarem os livros que estavam emprestando, não como uma forma de controlar os livros que entravam e saíam, mas para saber a preferência de leitura deles. O livro de visitas realmente serviu para conhecermos os livros que mais despertavam interesse, mas me pareceu uma coisinha chata, porque o gostoso mesmo é você pegar o livro a hora que bem entender, o título que achar melhor, e não anotar nada. O livro vai e o livro volta naturalmente. Biblioteca livre! A troca de ideia e conversas sobre os livros diretamente com os leitores foram acontecendo a cada entrega de livros, e são bem mais valiosas para conhecer os gostos de cada um dos nossos leitores do que o caderno.

A dica mais importante dessa lista foi a seguinte: Biblioteca livre e comunitária é ação de guerrilha: "Ao ter a iniciativa para a criação de uma biblioteca desse tipo, seja rápido. É quase uma ação de guerrilha". A primeira vez que visitamos o Sítio Vanessa e conversamos com o dono do local, Edemilson Pereira, sentimos que "aquele" era o lugar. E era mesmo! Antes que as dúvidas questionando se o projeto daria certo ou não surgissem, nós já mandamos confeccionar um carimbo, e selecionamos os livros, e colocamos a proposta para o Edemilson. Conforme fomos conhecendo a história de cada um dos moradores, passamos a trocar vivências. A experiência de realizar um evento tão bacana que era o sonho do Edemilson, foi decisiva para percebemos que uma biblioteca só tem coisas boas a adicionar à um local, e à vida de várias pessoas. Os livros e revistas circulando entre leitores e o retorno que recebemos, gera uma satisfação incrível!

*

Se você quer fazer acontecer e montar uma biblioteca livre-comunitária, leia aqui a publicação com as dicas inspiradoras do Alessando Martins, idealizador da Biblioteca Pote de Mel na íntegra.

0 comentários:

Postar um comentário